segunda-feira, 30 de junho de 2014

Desafio de Férias - Resenha #01 (por Rafaela César)

Caros senhores,


Hoje estou escrevendo sobre o primeiro livro que li no #desafiodeférias do blog (nesse post aqui o Markus fala sobre o desafio), escolhi (re)ler A Culpa É Das Estrelas do John Green!


SKOOB




EDITORA: INTRÍNSECA
ANO DE LANÇAMENTO: 2012
PÁGINAS: 283
ISBN: 9788580572261







Sinopse
Capa com a versão do filme
Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico.
Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.


Confesso que deixei o livro alguns meses na estante, o motivo era simples, eu tava cansada de ouvir falar de ACÉDE me julguem e também com uma pontinha de medo do livro não ser tudo aquilo que falavam… Só resolvi ler o livro assim que fiquei sabendo sobre o filme(não queria uma chuva de spoilers na minha cabeça) e foi aí que deixei meus “preconceitos” de lado e decidi lê-lo.

Sobre o Autor
Vou deixar aqui o link do twitter e do vlog.

John Green é um dos escritores norte-americanos mais queridos pelo público jovem e igualmente festejado pela crítica. Com mais de um milhão de seguidores no twitter, é autor best-seller do The New York Times, premiado com a Printz Medal e o Printz Honor da American Library Association e com o Edgar Award, e foi duas vezes finalista do prêmio literário do LA Times. Com o irmão, Hank, mantém o canal do YouTube "Vlogbrothers", um dos projetos de vídeo on-line mais populares do mundo. Mora com a mulher e o filho em Indianápolis, Indiana.


Resenha
O livro começa com Hazel Grace Lancaster uma garota de 16 anos que tem câncer em estado terminal. Seus pais ficam preocupados com sua situação e a obrigam a frequentar um Grupo de Apoio a Crianças com Câncer, na intenção de que ela encontre amigos e tenha uma vida “normal”, já que seus dias se resumem a ler seu livro favorito e assistir programas de televisão.
Em umas das reuniões Hazel conhece Augustus Waters, um jovem de 17 anos que tem osteossarcoma e uma perna amputada, Gus é descrito com um jovem sorridente e bem humorado.
No inicio achei a Hazel muito chatinha, mas ao decorrer da história fui me encantando com ela
Uma das coisas que mais gostei no livro foi quando Hazel fala sobre o seu livro favorito para Augustus, Uma Aflição Imperial, livro esse que é muito importante na história.
Assim como Hazel, Augustus também fica curioso pra saber o que acontece no final de Uma Aflição Imperial e então decide mandar um e-mail para Peter Van Houten, autor de Uma Aflição Imperial. Augustus logo que recebe a resposta de Peter liga pra Hazel e conta pra ela, a garota fica super entusiasmada e decide mandar um e-mail também, recebendo uma resposta alguns dias. Na resposta Peter Van Houten diz que adoraria responder o que acontece no livro, mas que só falaria pessoalmente e que se algum dia Hazel quisesse o visitar em Amsterdam o mesmo a estaria esperando para uma conversa… sem mais detalhes por motivos de spoiler hihihi
Juro que até hoje espero o querido do João Verde escrever Uma Aflição Imperial, sério, a paixão que Hazel tem pelo livro me deixou com muita vontade de lê-lo :(
Bom, depois de algumas semanas(com alguns probleminhas) de terem se correspondido com Peter Van Houten, Agustus e Hazel embarcam para Amsterdam, onde conhecem o autor favorito de Hazel e infelizmente acabam se decepcionando com algumas coisas...
O que posso falar do livro é o seguinte... ele me encantou bastante, me fez rir e chorar, apesar do drama ele é divertido.
Me surpreendi bastante com o final, juro que nem por um momento imaginei o que aconteceria.


Separei algumas das minhas partes favoritas


Se ela estivesse melhor ou o senhor, mais doente, então as estrelas não estariam tão terrivelmente cruzadas, mas é da natureza das estrelas se cruzar, e nunca Shakespeare esteve tão equivocado como quando fez Cássio declarar: “A culpa, meu caro Bruto, não é de nossas estrelas/ Mas de nós mesmos.”
  
 "Eu estou apaixonado por você – ele disse, baixinho./ - Augustus – falei. /- Eu estou – ele disse, me encarando, e pude ver os cantos dos seus olhos se enrugando. – Estou apaixonado por você e não quero me negar o simples prazer de compartilhar algo verdadeiro. Estou apaixonado por você, e sei que o amor é apenas um grito no vácuo, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim, e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó, e sei que o sol vai engolir a única Terra que podemos chamar de nossa, e eu estou apaixonado por você."


"Mas, Gus, meu amor, você não imagina o tamanho da minha gratidão pelo nosso infinito. Eu não o trocaria por nada nesse mundo. Você me deu uma eternidade dentro dos nossos dias numerados, e sou muito grata por isso."
"Não sou formada em matemática, mas sei de uma coisa: existe uma quantidade infinita de números entre o 0 e 1. Tem o 0,1 e o 0,12 e o 0,112 e uma infinidade de outros. Obviamente, existe um conjunto ainda maior entre o 0 e o 2, ou entre o 0 e 0 1 milhão. Alguns infinitos são maiores que outros... Há dias, muito deles, em que fico zangada com o meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter."  


Avaliação: 


Amei e indico pra quem ainda não leu...

Onde comprar: 


-
Espero que tenham gostado :)
Beijos,
Rafa César.

0 comentários:

Postar um comentário